Cinco dietas oncológica e sua evidência científica a exame – AIM Digital

Cinco dietas oncológica e sua evidência científica a exame – AIM Digital

17/03/2021 Off Por Portal Vida Verde

A relação entre alimentação e câncer tem sido muito estudada nos últimos anos. Mas, o que evidência real por detrás das dietas mais recomendadas?

O câncer surge por uma interação de fatores complexos. Uma revisão realizada por pesquisadores do Anderson Cancer Center, em Houston (EUA). UU.) concluiu que os fatores genéticos hereditários são a causa de 5-10 por cento dos cancros, enquanto que as causas ambientais representam 90 por cento.

Portanto, poderíamos dizer que o câncer é maioritariamente evitável. Estima-Se que entre 40 e 50 por cento de todos os cancros podem ser prevenidos com a adoção de um estilo de vida saudável.

E o que demonstram os estudos é, também, a importância da alimentação na prevenção e durante o tratamento, para reduzir a recorrência de um câncer.

Estima-Se que entre 32 e 35 por cento de todos os cânceres poderia ser atribuído a fatores alimentares, apesar de que a contribuição da dieta varia de acordo com o tipo de câncer: de 10 por cento em câncer de pulmão e 80 por cento dos cancros do intestino grosso.

O que diz a ciência sobre cada dieta e o câncer

Desde há anos, existe um número de dietas que se anunciam como oncológica. Vejamos o que têm relação e o nível de sua evidência.

  1. Dieta mediterrânea, a mais estudada

O nutricionista Ancel Keys observou-se que o ano de 1945, que no sul da Itália se concentrava o maior número de centenários do mundo. Além disso, as doenças cardiovasculares, amplamente presentes nos EUA, eram menos frequentes nessa região da Itália.

No estudo, Keys comprovou que a dieta tradicionalmente consumida pela população do mar Mediterrâneo era baixa em gordura animal, e rica em frutas, verduras, legumes, cereal integral, peixe e azeite de oliva.

Foram observadas associações entre um maior consumo de óleo de oliva e um menor risco de câncer de mama e câncer colorretal. Os principais efeitos protetores do consumo de óleo de oliva são atribuíveis à presença de ácidos graxos monoinsaturados (Mufa) e compostos fenólicos.

O maior isso resultaria associado a uma dieta mediterrânica já realizado, feito a partir de doze estudos de prevenção e mais de meio milhão de pessoas seguidas (The European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition), encontrou-se uma redução significativa no risco de mortalidade global e menor incidência e mortalidade do câncer e de parkinson e mal de alzheimer.

O estudo PreDiMed (Prevenção com Dieta do Mediterrâneo) proporcionou a evidência científica de maior qualidade para poder afirmar que a dieta mediterrânea é um padrão útil na prevenção primária de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, síndrome metabólica, disfunção cognitiva e câncer de mama.

  1. Dieta vegetariana, com dados escassos ainda

Inclui aqueles que consomem laticínios e ovos (ovolacteovegetariana) e aqueles que seguem os padrões mais restritivos, sem nenhum produto de origem animal (veganos).

É uma dieta rica em antioxidantes, ácidos graxos mono e poliinsaturados, e deve diminuir a incidência e mortalidade do câncer. No entanto, a evidência científica sobre o efeito anticancerígeno do vegetarianismo permanece baixa em comparação com os dados disponíveis para a dieta mediterrânica.

Os resultados são difíceis de explicar por que a grande heterogeneidade entre os padrões dietéticos definidos como vegetarianismo, o que pode confundir os resultados. Mas, apesar da diversidade de dados, este padrão de alimentação também é interessante como a dieta preventiva.

No caso dos vegetarianos estritos, que excluem de sua dieta todos os produtos de origem animal, incluindo ovos, leite e mel, é importante que a suplementen com a vitamina B12, zinco, ferro e ômega-3.

  1. Dietas baixas em hidratos de carbono ou dieta cetogênica, um grande potencial

Esta dieta se começou a utilizar com sucesso no início do ano de 1920 para tratar pacientes com epilepsia, mas a raiz do rápido desenvolvimento de novos fármacos anticonvulsivantes, caiu em desuso, até que, no ano de 1996, graças à Sociedade Americana de Epilepsia e a investigação e ensaios clínicos realizados, se voltou a utilizar em vários hospitais, chegando a ser mais eficaz no controle de crises de epilepsia refratária que muitos novos fármacos.

Hoje está se abrindo para novas possibilidades terapêuticas, como em alguns tipos de câncer, em especial o tumor cerebral, mas ainda continua tendo uma evidência preliminar.

A dieta cetogênica é rica em gorduras saudáveis provenientes do abacate, óleo de oliva, nozes, peixe azul, sementes e óleo de coco, moderada em proteína (não hiperproteica): prioriza o peixe, ovo, alguns lácteos e carnes magras, como proteínas de origem animal, e o tofu, tempeh, frutos secos e cânhamo como fonte de proteína vegetal.

A dieta é baixa em carboidratos, prioriza as verduras e hortaliças, e limita o consumo de cereais integrais e frutas.

O objetivo é alcançar um estado metabólico semelhante ao de um jejum: o corpo produz corpos cetónicos a partir de metabólitos de gordura (daí o nome de dieta cetogénica), como o betahidroxibutirato ou o acetoacetato, para obter uma nova fonte de energia.

Deve ser o oncologista quem recomende, ter uma dieta destas características, e o paciente deve ter o aconselhamento de um nutricionista-nutricionista formado em dieta cetogênica.

Os estudos desta dieta foram realizados principalmente em animais e em pacientes com tumor cerebral, e encontramos também estudos em outros tipos de câncer, como o de próstata, pâncreas, mama e cânceres avançados. Os estudos foram realizados sempre em conjunto com o tratamento de quimioterapia ou radioterapia, por isso a recomendação centra-se inicialmente nestes pacientes.

Os estudos têm demonstrado o seguinte:

  • pode induzir a alterações epigenéticas (silencia oncogenes e ativa genes saudáveis);
  • reduz a glicose no sangue e melhora a resistência à insulina;
  • reduz os marcadores de inflamação;
  • evita a angiogénese, ou seja, impede a criação de novos vasos sanguíneos, algo necessário para que a célula cancerosa crescer;
  • aumenta o Gaba, um neurotransmissor que tem um efeito relaxante essencial;
  • apresenta uma ação pró-apoptótica ou, em outras palavras, promove a morte celular;
  • aumenta os níveis de glutationa nas células saudáveis;
  • aumenta o estresse oxidativo da célula tumoral.

Não cura por si mesma e não se deve recomendar esta dieta a todas as pessoas com um processo oncológico. Um dos mitos que circula é que combate o câncer por si mesma, mas não existe nenhum estudo que suporte esta afirmação.

De facto, os estudos realizados concluem que proporciona um efeito sinérgico e de proteção, juntamente com os tratamentos oncológicos usuais de quimioterapia e radioterapia.

  1. Dieta alcalina, sem evidência ainda

A teoria da dieta alcalina é baseada na existência de uma série de alimentos que acidifican a urina, como a carne, peixe, queijos, ovos, açúcar refinado, frutos secos e cacau; e alimentos que alcalinizan, como as hortaliças e as frutas.

Esta dieta é-lhe atribuída a capacidade de modificar o pH da urina e evitar a acidificação do organismo, o ambiente ideal para que se desenvolva a célula tumoral. Mas um pH da urina mais alcalina não garante a alcalinização do meio extracelular.

A realidade é que a base desta dieta carece de evidência científica, e mais, se tivermos em conta as pesquisas do Dr. Otto Warburg, que propõe que é a célula cancerígena que gera um meio ácido para se desenvolver, e não o contrário.

  1. Jejum terapêutico valioso na prevenção e para aumentar a longevidade

Em nossa sociedade, existe a crença de que o jejum nos enfraquece e diminui o nosso metabolismo. Mas a evidência científica mostra que o jejum periódico é uma rotina saudável.

Tem benefícios anti-envelhecimento, ajuda a aumentar a energia e clareza mental e favorece o equilíbrio hormonal.

Além disso, diminui os marcadores da inflamação e da autofagocitosis ou reparação celular; melhora os níveis de glicose no sangue, os lípidos no sangue e a plasticidade neuronal.

Por outro lado, especialistas como Valter Longo, da Universidade do Sul da Califórnia), Thomas Seyfried (de Boston), Domingo D’Agostino, da Universidade do Sul da Flórida), e o Max Plank Institute mostram que o jejum pode jogar um papel terapêutico importante no tratamento do câncer: retarda o crescimento de tumores, remove as células cancerosas, melhora o efeito da quimioterapia e da eficácia da radioterapia e reduz os efeitos colaterais.

Isso sim, o jejum deve ser sempre supervisionado e avaliado por um profissional de saúde.

Jordina Casademunt para CuerpoMente (Comunidade RBA)