×

Tudo o que você precisa entender sobre doenças crônicas

Tudo o que você precisa entender sobre doenças crônicas 1

Tudo o que você precisa entender sobre doenças crônicas

As doenças crônicas são condições de saúde que persistem por longos períodos de tempo e afetam muitas pessoas em todo o mundo. Elas podem ser causadas por diversos fatores, como agentes infecciosos, predisposição genética ou estilo de vida. Existem dois tipos principais de doenças crônicas: as não transmissíveis, relacionadas ao estilo de vida ou predisposição genética, e as transmissíveis.

Tudo o que você precisa entender sobre doenças crônicas 2

As doenças crônicas não transmissíveis, que representam a maioria dos casos, são responsáveis por mais de 72% das mortes no Brasil. Alguns exemplos comuns são diabetes, pressão alta, colesterol elevado, depressão, asma e obesidade.

A diabetes é uma doença crônica que se caracteriza pelo aumento dos níveis de glicose no sangue. Existem dois tipos principais: o tipo 1, que ocorre quando o sistema imunológico ataca as células produtoras de insulina, e o tipo 2, associado ao excesso de peso e sedentarismo. Os sintomas incluem sede excessiva, urina frequente e visão embaçada. O tratamento envolve mudança de hábitos, medicamentos e, em alguns casos, aplicação de insulina. A pressão alta, ou hipertensão arterial, é uma doença crônica que causa o aumento da pressão sanguínea. É importante monitorar e controlar a pressão para prevenir complicações.

As doenças crônicas exigem cuidados contínuos e mudanças no estilo de vida para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. O diagnóstico precoce e o acompanhamento médico adequado são fundamentais para evitar complicações. É importante conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção e do autocuidado para lidar com as doenças crônicas.

Sangue nas paredes das artérias: quando a medição da pressão arterial está acima de 140/90 mmHg, há um quadro de hipertensão. Os principais fatores de risco são hereditariedade, obesidade, estresse e tabagismo. Hipertensão pode causar complicações, como infarto e AVC.

O colesterol alto, ou hipercolesterolemia, é o aumento do nível de colesterol no sangue, especialmente do tipo LDL (colesterol “ruim”). Pode ser causado por fatores como hereditariedade, alimentação e sedentarismo. O colesterol elevado pode prejudicar as artérias e levar a doenças cardiovasculares graves.

A depressão é uma doença crônica caracterizada por tristeza persistente, falta de interesse e outros sintomas que interferem no funcionamento diário. É causada por fatores como predisposição genética, alterações químicas no cérebro e traumas. O tratamento é necessário para melhorar a qualidade de vida.

A asma é uma doença crônica que causa inflamação das vias respiratórias, dificultando a respiração e causando crises de falta de ar, chiado no peito e tosse. Pode ser desencadeada por alergias, infecções respiratórias, exposição a substâncias irritantes e mudanças climáticas. O diagnóstico é feito por um profissional de saúde.

A obesidade é o excesso de gordura corporal e pode levar a outras doenças. É medida pelo índice de massa corporal (IMC) e está associada a problemas de saúde como doenças cardíacas, diabetes e problemas nas articulações. É importante buscar tratamento adequado para controlar o peso e prevenir complicações.

A obesidade é uma doença crônica que afeta milhões de pessoas no Brasil. Além de fatores como alimentação inadequada e sedentarismo, a obesidade também pode ser influenciada por fatores genéticos e hormonais. Pessoas com obesidade devem procurar acompanhamento médico com um endocrinologista e também podem se beneficiar do auxílio de um nutricionista para uma alimentação mais equilibrada.

Existem também doenças crônicas transmissíveis, que são causadas por agentes infecciosos como vírus ou bactérias, e podem ser transmitidas de pessoa para pessoa. Alguns exemplos dessas doenças incluem a aids, tuberculose, hanseníase e hepatites virais.

A aids é uma doença causada pelo vírus HIV, que enfraquece o sistema imunológico e aumenta o risco de infecções e outras doenças. A transmissão pode ocorrer por relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas ou agulhas contaminadas, transfusão de sangue infectado ou de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação. Sintomas como febre, diarreia e perda de peso podem aparecer, mas é importante fazer o teste regularmente e praticar o sexo seguro.

A tuberculose é uma doença causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode atingir outros órgãos. A transmissão ocorre pelo ar quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. Os sintomas comuns incluem tosse persistente, febre, suores noturnos, perda de peso e falta de ar. É importante procurar um médico pneumologista para diagnóstico e tratamento.

A hanseníase é uma doença crônica causada por uma bactéria que afeta a pele e os nervos periféricos. A transmissão ocorre por contato prolongado com uma pessoa infectada que não está em tratamento. Os sintomas incluem manchas na pele, dormência ou formigamento nas mãos e nos pés, feridas que não cicatrizam, perda de pelos e ressecamento da pele. O diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para evitar danos aos nervos e tecidos. O acompanhamento pode ser feito com dermatologistas, infectologistas ou clínicos gerais.

As hepatites virais são doenças causadas por diferentes tipos de vírus que afetam o fígado e causam inflamação. Os tipos mais comuns são hepatite A, B e C. A transmissão pode ocorrer através de alimentos contaminados, contato sexual ou compartilhamento de agulhas. Essas infecções hepáticas são responsáveis por muitos óbitos em todo o mundo. É importante estar atento aos sintomas e buscar tratamento adequado.

As hepatites virais, especialmente as causadas pelos vírus da hepatite B e C, frequentemente se tornam crônicas e podem levar à infecção aguda, carcinoma hepático ou cirrose. Essas infecções normalmente não apresentam sintomas, o que pode resultar em um longo período de convivência com a doença sem saber. No entanto, quando os sintomas estão presentes, eles podem incluir cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Se não tratadas, as hepatites virais podem evoluir e levar à cirrose, câncer ou insuficiência hepática. Portanto, a prevenção é essencial. É importante tomar a vacina para hepatite A (infantil ou adulto) e para hepatite B, além de seguir outras recomendações, como não compartilhar objetos que possam ter entrado em contato com sangue e utilizar preservativo durante as relações sexuais.

Os pacientes crônicos devem ter cuidados especiais para evitar complicações e melhorar sua qualidade de vida. O diagnóstico precoce é fundamental, procurando ajuda médica ao perceber sintomas prolongados. O acompanhamento médico regular também é importante, mesmo que não haja cura para a doença crônica. O tratamento pode incluir medicamentos, terapias, cirurgias ou mudanças de hábitos, dependendo das necessidades de cada paciente.

O uso adequado dos medicamentos prescritos é essencial, seguindo as orientações quanto ao horário, à forma de ingestão e à não interrupção ou alteração da dose sem orientação médica. Além disso, é fundamental adotar um estilo de vida saudável, incluindo uma alimentação equilibrada e a prática de exercícios físicos.

O autocuidado também é crucial para os pacientes com doenças crônicas. Isso envolve assumir uma postura ativa e responsável em relação à sua saúde, buscando informações, seguindo as orientações médicas e realizando check-ups regularmente.

As Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs) podem ser tratadas através de uma reeducação alimentar, que visa aumentar a ingestão de nutrientes e diminuir a porcentagem de gordura nos alimentos consumidos. Um nutricionista pode auxiliar nesse processo, levando em consideração a rotina e condição de saúde de cada indivíduo. Além disso, a prática regular de atividade física, sono adequado e controle do estresse são hábitos que devem ser adotados por pacientes crônicos.

No entanto, lidar com as emoções causadas por um quadro crônico nem sempre é fácil, principalmente quando não há cura para a doença. As mudanças necessárias nos hábitos de vida podem gerar dúvidas sobre como conciliar a condição crônica com os compromissos diários, como trabalho, família e atividades sociais. Nesses momentos, é essencial contar com o apoio do médico que acompanha o quadro, assim como dos familiares, amigos e colegas de trabalho ou escola.

É importante que as pessoas ao redor do paciente entendam a necessidade de ausências eventuais para consultas médicas e outros cuidados necessários. Além disso, um psicólogo pode ser um grande apoio para compreender e lidar com os sentimentos confusos que podem surgir no início do diagnóstico de uma doença crônica.

O dr.consulta oferece uma equipe especializada para consultas, exames, vacinas e check-ups, incluindo especialistas que podem auxiliar no cuidado de doenças crônicas. Agende agora mesmo seu atendimento.

Fontes:
– Universidade Aberta do SUS (Una-SUS)
– Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde
– Governo do Estado da Bahia
– Prefeitura Municipal de São José do Norte

Avalie esse artigo