×

Atenção! Identifique os sinais mais comuns de pneumonia

Atenção! Identifique os sinais mais comuns de pneumonia 1

Atenção! Identifique os sinais mais comuns de pneumonia

A pneumonia é uma infecção que afeta os pulmões e pode ter consequências graves se não tratada corretamente. No Brasil, por exemplo, houve mais de 44 mil óbitos relacionados à pneumonia de janeiro a agosto de 2022, segundo dados do DataSUS.

Atenção! Identifique os sinais mais comuns de pneumonia 2

A pneumonia pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos, e seus sintomas incluem tosse, espirros, dificuldade respiratória e dor no peito. Além disso, a pessoa infectada pode ter febre, calafrios, tremores, suor excessivo, enjoo, vômitos e perda de apetite.

Existem diferentes tipos de pneumonia, como a bacteriana, viral e fúngica. A pneumonia bacteriana é uma das mais comuns e costuma ser causada pela bactéria Streptococcus pneumoniae. Já a pneumonia viral é causada por vírus, como influenza e sincicial respiratório. A pneumonia fúngica, por sua vez, é mais rara e afeta principalmente pessoas com baixa imunidade.

A pneumonia não afeta apenas adultos, mas também crianças. É especialmente preocupante em crianças menores de cinco anos, pois pode ser grave e levar a complicações como meningite e epiglotite. No entanto, com o tratamento adequado, a maioria das crianças se recupera bem da pneumonia.

Para prevenir a pneumonia, é importante tomar medidas como manter a higiene das mãos, evitar contato próximo com pessoas doentes e manter a vacinação em dia. Além disso, adotar um estilo de vida saudável, como praticar exercícios físicos, ter uma alimentação equilibrada e não fumar, também contribui para fortalecer o sistema imunológico e reduzir o risco de infecções respiratórias.

Se você apresentar sintomas de pneumonia, como tosse persistente, febre alta e dificuldade respiratória, é essencial procurar um médico para o diagnóstico correto e tratamento adequado. Não negligencie os sinais do seu corpo e cuide da sua saúde respiratória.

O inverno não é o único período em que a pneumonia ocorre. A doença pode se manifestar em outras épocas do ano, inclusive no verão, quando as temperaturas estão mais altas. Isso pode ser atribuído a fatores como desidratação, poluição do ar e alimentação inadequada.

Portanto, é importante procurar ajuda médica especializada em caso de desconforto, independentemente da estação. O pneumologista é o profissional indicado para cuidar da saúde dos pulmões e tratar doenças relacionadas, como a pneumonia. Caso os sintomas não sejam claros, é aconselhável consultar um clínico geral primeiro, que encaminhará para o especialista adequado.

Para diagnosticar a pneumonia, o médico avaliará os sintomas, histórico clínico e realizará um exame físico, utilizando instrumentos como o estetoscópio. Além disso, podem ser solicitados exames complementares, como radiografia de tórax e tomografia do tórax, que fornecem imagens detalhadas dos pulmões.

Em casos mais graves que necessitam de hospitalização, podem ser solicitados exames adicionais, como hemograma, exame de escarro e gasometria arterial.

A pneumonia é uma doença séria e, se não tratada corretamente, pode ter consequências graves. O tratamento depende do tipo, gravidade e causa da infecção, envolvendo o uso de medicamentos específicos e medidas de suporte, como hidratação e repouso. Em casos mais graves, pode ser necessário internação hospitalar ou ventilação mecânica.

A prevenção é fundamental. É importante manter a vacinação em dia, incluindo as vacinas anuais contra a gripe e antipneumocócica. Além disso, lavar as mãos com frequência, evitar o contato com pessoas doentes, cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, não fumar ou evitar a exposição ao fumo passivo, e ter uma alimentação equilibrada e rica em vitaminas são medidas que podem ajudar a prevenir a pneumonia.

Cuide da sua saúde e dos seus pulmões, pois a prevenção é sempre a melhor opção. Lembre-se de sempre buscar ajuda médica quando necessário e conte com os profissionais de saúde para cuidar do seu bem-estar.

Fontes: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, Biblioteca Virtual em Saúde, Fiocruz, MSD.

Avalie esse artigo